Neste momento de escolha profissional, um fator a ser discutido é a influência dos pais neste processo de decisão. Não há como dizer que uma pessoa, principalmente um jovem, faz uma escolha sem interferências de familiares, amigos e meio social.

As nossas escolhas são baseadas em nossa história de vida, mesmo que isto aconteça de forma inconsciente. A conversa com os pais deve ser considerada, mas estes devem ter o papel de orientadores, dando informações, ouvindo bastante os anseios dos filhos e respeitando sempre o tempo, as habilidades, aptidões e expectativa quanto ao futuro.

Não raro os filhos terem seus pais e suas profissões como referência, positiva ou negativa. A forma como esses pais se relacionam com a sua própria escolha profissional é transmitida a seus filhos, mesmo que inconsciente, de forma não verbalizada, e podem influenciá-los seja pelo olhar “desejoso” desses pais, seja pelo olhar desanimador deste.

Os jovens por sua vez, devem considerar os fatores vivenciados por seus pais, mas também devem considerar a possibilidade de serem diferentes deles, e que portanto, podem ter uma experiência diferente da dos seus pais, considerando suas próprias características de personalidade.

Sendo assim, os pais serão sempre uma referência para os seus filhos, mas no que se refere a escolha profissional, há de se considerar as habilidades, interesses e características particulares de cada sujeito, e aí então, realizar uma escolha que esteja alinhada à sua própria história de vida. Seja ela algo muito relacionada à carreira de seus pais, ou até mesmo algo completamente divergente.

Share